.

11 maio 2023

Segunda Chamada: educação e resistência na sua telinha

✎ Por Mayara Gon√ßalves
Você, que é educador ou educadora, já se sentiu realmente representado por uma série de TV? Pois a minha indicação no texto de hoje certamente tocará a sua trajetória pedagógica e pessoal de maneira especial. Ao assisti-la certamente você se lembrará de alguns desafios que enfrentou durante a sua jornada de trabalho ou até mesmo reviverá sentimentos de quando era estudante. Então prepare-se!

Imagem de divulgação com elenco da série Segunda Chamada

Escrevo este texto exatamente 2 semanas após ter terminado de maratonar as duas temporadas da série Segunda Chamada, disponível no GloboPlay. E, mesmo depois deste tempo, ainda estou refletindo sobre o impacto da produção na minha vida.

Protagonizada por Debora Bloch, a s√©rie tem um elenco robusto e conta mais sobre a rotina de uma escola p√ļblica fict√≠cia chamada (sugestivamente) de Carolina Maria de Jesus, dando √™nfase √† hist√≥ria da turma de ensino noturno na modalidade EJA. E a beleza da produ√ß√£o come√ßa por este pilar: feito a trajet√≥ria da escritora que nomeia a escola, Segunda Chamada traz em sua ess√™ncia a segunda chance que a vida deu √† jovens adultos atrav√©s da educa√ß√£o. Al√©m disso, nos convida a ter uma nova perspectiva sobre os dramas vividos pelo corpo docente em um contexto precarizado de ensino. 


Com uma trama intrincada, essa √© daquelas produ√ß√Ķes que prendem a sua aten√ß√£o a cada minuto, mostrando que a vida de quem trabalha ensinando √© repleta de nuances e desdobramentos que contribuem para a transforma√ß√£o constante. Para ser mais objetiva, a s√©rie me mostrou como √© complexa a tarefa de separar a vida pessoal da profissional sendo professor/a. Essa linha t√™nue √© mostrada v√°rias vezes √† medida que conhecemos os conflitos emocionais de cada um/a dos/das educadores/as retratados/as.

Por vezes quem n√£o √© educador/a at√© pensar√°: "Como √© poss√≠vel que essas pessoas se envolvam tanto com as hist√≥rias de alunas/os, ainda mais em uma escola que mesmo caindo aos peda√ßos, luta para sobreviver diariamente?" E a √ļnica resposta plaus√≠vel que eu encontrei para essa pergunta foi: ensinar e guiar pessoas atrav√©s do desconhecido √© uma condi√ß√£o de alma, muitas vezes maior do que n√≥s mesmas/os. 


Al√©m disso, a sensa√ß√£o se repete quando olhamos para os conflitos de alunas/os, que evidentemente encontram no letramento a oportunidade de criar para si uma nova realidade, bem diversa da qual est√£o inseridas/os fora do √Ęmbito escolar. Segunda Chamada √© lugar de fala para as mazelas da vida humana que tentam se ressignificar a cada etapa. √Č lugar de questionamento, resist√™ncia, cr√≠tica social e pol√≠tica. 

Cena do terceiro episódio da primeira temporada de Segunda Chamada

Espa√ßo art√≠stico e televisivo que aborda (e transborda) temas complexos e presentes na sociedade brasileira como: desigualdade social, evas√£o escolar, inclus√£o, f√©, xenofobia, preconceito racial, sa√ļde mental, direitos da popula√ß√£o LGBTQIAPN+,  viol√™ncia dom√©stica, √≠ndice populacional em situa√ß√£o de rua. Segunda Chamada √©, em suma, uma hist√≥ria ficcional e real ao mesmo tempo, pois naquela representa√ß√£o nossa luta encontra acolhimento, identifica√ß√£o, emo√ß√£o, representatividade e for√ßas para continuar. Afinal, como diria a protagonista L√ļcia: "Educar n√£o √© sobre vencer. √Č sobre resistir."

Gostou dessa dica? Ent√£o me conta a√≠ nos coment√°rios quais foram as suas impress√Ķes sobre a s√©rie! N√£o se esque√ßa tamb√©m de nos seguir l√° no Instagram e Facebook para acompanhar as novidades!

Nenhum coment√°rio:

Postar um coment√°rio

imagem-logo