.

19 outubro 2020

Vivências com elementos da natureza na Educação Infantil

✎ Por Fernanda Fusco

Graças ao isolamento social, o contato direto com a natureza infelizmente não faz parte da realidade de muitos bebês e crianças, que estão restritos às suas moradias e cercados por paredes de concreto. Esse contato com o meio ambiente e os elementos naturais é essencial para o desenvolvimento dos pequenos e sua ausência, de acordo com pesquisadores, pode causar o déficit de natureza, responsável por problemas físicos e mentais como a obesidade, a depressão, a hiperatividade e o déficit de atenção.

Frutinhas encontradas no parque. Arquivo pessoal de Fernanda Fusco.

De acordo com as autoras Eulália Bassedas, Teresa Huguet e Isabel Solé:

As crian√ßas dessa faixa et√°ria constroem teorias bastante coerentes em si mesmas, por√©m pouco adaptadas √† realidade. A intera√ß√£o e o conhecimento do ambiente permitem a elas irem construindo interpreta√ß√Ķes mais ajustadas e mais potentes para continuar aprendendo sobre o funcionamento do mundo que as envolve. (Aprender e ensinar na Educa√ß√£o Infantil, p. 72)

Dentre outros benefícios, estão a criatividade, a imaginação, a motivação, além da admiração e cuidados com o meio ambiente. A partir da exploração da natureza, os pequenos também estimulam a curiosidade, fazem novas descobertas e desenvolvem a inteligência naturalista.


Fala, Pr√ī! indica: live coordenada por Ana Carol Thom√© com a participa√ß√£o do educador Paulo Fochi

A pedagoga e coordenadora do programa Ser Crian√ßa √© Natural, Ana Carol Thom√©, destaca que a recomenda√ß√£o das institui√ß√Ķes sanit√°rias √© de que ocupemos os espa√ßos externos para evitar a propaga√ß√£o da doen√ßa. Refor√ßa ainda que, embora o coronav√≠rus sobreviva por alguns dias em superf√≠cies como pap√©is, pl√°sticos e metais, n√£o h√° nenhum estudo conclusivo acerca dos elementos naturais (e esses s√£o facilmente descartados sem causar impactos negativos ao meio ambiente). Considerando essas informa√ß√Ķes, reunimos neste post algumas sugest√Ķes de viv√™ncias com elementos naturais que podem ser realizadas fora das salas de refer√™ncia e respeitando o distanciamento social. Agradecemos √† coordenadora pedag√≥gica M√°rcia Tr√≠podi pela indica√ß√£o de alguns materiais!

√Č parte da vida saud√°vel de beb√™s e crian√ßas o contato com a natureza: ouvir hist√≥rias e brincar na sombra das √°rvores, fazer cidades e estradas no tanque de areia, escalar uma escada de corda amarrada a um galho de √°rvore, balan√ßar numa rede ou num balan√ßo amarrado a um galho de √°rvore, brincar com barro, terra e √°gua, produzir e brincar com objetos ao vento (pipa, biruta, cata-vento), lavar os brinquedos, participar de jogos de movimento ou simplesmente observar a natureza, ouvir um canto de p√°ssaro, visitar as flores do jardim, acompanhar o crescimento das verduras na horta ou de uma planta. (Curr√≠culo da Cidade: Educa√ß√£o Infantil, S√£o Paulo, p. 97)

Horta pedagógica

As hortas s√£o muito recorrentes no contexto da Educa√ß√£o Infantil, j√° que aproximam o contato com a terra, a observa√ß√£o do nascimento da semente, o crescimento da plantinha, o cuidado de um ser vivo e a colheita do alimento: que tal aproveitar esses momentos nos ambientes externos para dar continuidade ao projeto da sua unidade? Caso ainda n√£o tiraram a ideia do papel, este √© um √≥timo momento para coloc√°-la em pr√°tica! O Instituto UMAPaz, no momento pr√©-pandemia, oferecia uma s√©rie de cursos presenciais sobre horta e jardinagem para o p√ļblico geral, inclusive para os profissionais de educa√ß√£o do munic√≠pio de S√£o Paulo: acesse sua biblioteca virtual para aprender um pouco mais sobre o preparo e cultivo! Recomendamos tamb√©m a leitura do material Horta: A escola promovendo h√°bitos alimentares saud√°veis, elaborado pelas pesquisadoras Clarissa Hoffman e Patr√≠cia Martinz em 2001 para o Minist√©rio da Sa√ļde.

Crian√ßas colhendo r√ļcula. Arquivo pessoal de Fernanda Fusco.

Caso n√£o haja um espa√ßo adequado para colocar o projeto em pr√°tica, uma op√ß√£o tamb√©m √© confeccionar vasos com materiais reaproveitados para que cada crian√ßa fique respons√°vel por sua plantinha! Outra ideia √© fazer experimentos com as sementes encontradas pelos pequenos nos ambientes externos: fa√ßam pesquisas para descobrir de que s√£o essas sementes e plantem, mesmo os adultos sabendo que n√£o v√£o germinar; deixem as sementes em diferentes ambientes (com luz, sem luz, com muita √°gua, com pouca √°gua, em terra, em algod√£o, etc.) para saber em quais condi√ß√Ķes elas germinam e crescem fortes; proponha que as crian√ßas fa√ßam um registro di√°rio atrav√©s de desenhos e fa√ßam marca√ß√Ķes no calend√°rio a cada evento importante (primeiro plantio, germina√ß√£o, primeira folha, primeira flor, etc.).

Aproximem tamb√©m os pequenos de contos ind√≠genas e curiosidades sobre os diferentes povos, como o v√≠nculo ancestral com a terra e a natureza. As m√ļsicas dos povos origin√°rios, por exemplo, podem fazer parte dos momentos de plantio, cuidado e colheita: Kworo Kango, do povo Kayap√≥, faz parte do rito de fertiliza√ß√£o do solo para o plantio da semente de mandioca.

Caso a m√ļsica n√£o abra, clique aqui para ouvir!

Brincadeiras com √°gua e caixas sensoriais

Em um dia quente, disponibilize baldes, caixas pl√°sticas ou at√© potes de sorvete com √°gua para os pequenos explorarem. Dependendo da faixa et√°ria, a brincadeira pode ser complementada com conchas, pedrinhas, gravetos, folhas... Com o prop√≥sito de respeitar o distanciamento social, uma op√ß√£o √© disponibilizar uma toalha, tecido ou esteira para que cada um deles fa√ßa de conta que est√° na praia - em breve, traremos um relato de pr√°tica com essa brincadeira! Em um outro momento, caso a unidade permita que as fam√≠lias enviem objetos de casa, as crian√ßas podem ser convidadas a lavar seus brinquedos.

"Que tal se, ao invés de comprar presente, doarmos nosso tempo para estar com as crianças na natureza?"
 Na dica de leitura de hoje, compartilhamos a mat√©ria 10 motivos para as crian√ßas se conectarem com a natureza, do portal Lunetas.

Outra opção de brincadeira é com as caixas sensoriais, que podem ser oferecidas até em espaços cobertos nos dias chuvosos: "recheie" cada caixa com terra, areia, arroz ou pedrinhas e deixe que as crianças explorem livremente, utilizando talvez brinquedos para construir suas narrativas!


Coleta e classificação dos elementos naturais

De acordo com Daniela Maia, professora de Educa√ß√£o Infantil do munic√≠pio de S√£o Paulo, os espa√ßos externos s√£o os laborat√≥rios onde os pequenos podem assumir pap√©is de pesquisadores, cientistas ou at√© detetives da natureza e a explora√ß√£o dos elementos naturais permite que conhe√ßam as diversas cores, texturas e formatos. Convide as crian√ßas a explorar os parques (ou outros territ√≥rios) e a buscar por sementes, pedras, gravetos, folhas, entre outros. Para esta viv√™ncia, voc√™ tamb√©m pode oferecer lupas e lanternas (devidamente higienizadas) e propor para que guardem esses "tesouros" em sacolas de tecido, caixas ou mesmo em cestas individuais, formando assim cole√ß√Ķes particulares. Ap√≥s a busca, leve-os a categorizar, comparar, contar, registrar as descobertas atrav√©s de desenhos e a brincar com esses elementos.

Fala, Pr√ī! indica: v√≠deo Casinhas e guisadinhos no Vale do Jequitinhonha, produzido pelo Instituto Alana para o Territ√≥rio do Brincar

Arte com elementos da natureza

Ap√≥s a coleta de elementos naturais, h√° tamb√©m uma variedade de possibilidades envolvendo as artes pl√°sticas: pintura de pedras, colagem ou frotagem com folhas, confec√ß√£o de pinc√©is com gravetos, modelagem com argila, confec√ß√£o de mandalas, bijuterias, penduricalhos, entre muitas outras (deixamos abaixo fotos com algumas sugest√Ķes). As tintas, por exemplo, podem ser feitas de especiarias (canela, urucum, a√ßafr√£o, caf√©), terra ou argila com √°gua e, para al√©m dos pap√©is, podem usar como suporte o ch√£o, as paredes, um ch√£o de terra...


Aproveite neste momento para aumentar o repert√≥rio dos pequenos e apresentar artes dos diferentes povos ind√≠genas, como cer√Ęmicas, pinturas corporais, vestimentas, colares. E que tal propor uma mostra? Em uma de nossas publica√ß√Ķes, a professora Ekatherina Ugnivenko sugere a organiza√ß√£o de uma exposi√ß√£o de arte. Lembre-se que o importante aqui √© que as crian√ßas entrem em contato com as diferentes materialidades e experi√™ncias art√≠sticas, usando talvez artistas pl√°sticos e diferentes povos como inspira√ß√Ķes - e n√£o como modelos prontos a serem copiados!

Leitura ao ar livre

J√° sabemos que a leitura e suas diferentes estrat√©gias (ler por prazer, ler para pesquisar, ler para aprender, etc.) contribuem para o desenvolvimento do comportamento leitor, da escuta, aumenta o repert√≥rio, amplia o vocabul√°rio, a criatividade, assim como o interesse pelo mundo letrado. Escolha um ambiente bem agrad√°vel fora da sala de refer√™ncia (seja embaixo de uma √°rvore, de um quiosque, de uma cobertura improvisada com tecido) e promova diariamente momentos de leitura: leitura de verbetes de enciclop√©dia para descobrir mais sobre os insetos que habitam a escola; leitura deleite de livros de literatura infantil envolvendo fen√īmenos naturais, elementos da natureza, seres vivos, contos africanos e ind√≠genas; leitura de not√≠cias da semana ou mesmo da previs√£o do tempo para se informar; leitura de biografias para conhecer hist√≥rias de mulheres empoderadas; assim como a leitura para aprender as regras de um jogo ou brincadeira. Ap√≥s os momentos em que os beb√™s e crian√ßas manusearem seus livros (individualmente), separe-os e isole-os por 15 dias, para ent√£o oferec√™-los novamente.

        
Dicas de alguns livros que podem compor esses momentos!

Sugest√Ķes para casa

Outra possibilidade √© propor para que as fam√≠lias deem continuidade a esse contato em casa. Ellen Mar√ßal, professora de Educa√ß√£o Infantil da rede municipal de S√£o Paulo, idealizadora do Pegagomamy e m√£e do Dudu, reuniu em um v√≠deo algumas ideias de brincadeiras com elementos naturais para serem realizadas no contexto familiar.


No entanto, vale refletir: sabemos que al√©m de aprenderem com as brincadeiras e materialidades, a intera√ß√£o com o outro tamb√©m √© essencial para o desenvolvimento dos beb√™s e crian√ßas. O retorno √† escola, na perspectiva de um distanciamento social, respeita essa inf√Ęncia?

O Fala, Pr√ī! √© contra a volta √†s aulas enquanto o Brasil for o epicentro da atual pandemia de COVID-19. Nossas publica√ß√Ķes t√™m como prop√≥sito trazer reflex√Ķes e sugest√Ķes de viv√™ncias que contribuam para a realidade de professoras, professores e demais funcion√°rios, j√° que inst√Ęncias p√ļblicas e institui√ß√Ķes privadas insistem no retorno.



Um coment√°rio:

  1. Que legal e que honra participar e compor um trecho dessa matéria!
    A natureza √© rica em possibilidades de explora√ß√£o, pesquisa e in√ļmeras descobertas e basta com que os adultos permitam essas explora√ß√Ķes.
    Quando fiz o v√≠deo sobre as sugest√Ķes foi numa perspectiva de abranger o tema em casa ou mesmo trazer possibilidades de explora√ß√Ķes com as crian√ßas pequenas que est√£o na fase oral. Hoje ap√≥s 6 meses e com a possibilidade j√° ir aos parques, precisamos apenas possibilitar esses passeios e permitir que as crian√ßas criem conex√Ķes com a natureza e que seus olhinhos curiosos sejam seus guias.
    Basta observarmos para ver as maravilhas q encontram. Buracos, cascas, pedras, tudo vira pesquisa e descobertas.

    ResponderExcluir

imagem-logo